terça-feira, 30 de outubro de 2012

SENHORAS E SENHORES........

Começaremos hoje nosso primeiro ensaio do espetáculo de final de ano de nossas pequeninas sementes.
Nossa festa acontecerá dia 23 de novembro na querida Escola Espaço Livre e contará com EcoSurpresas EcoSurpreendentes.

Em breve estaremos postando as fotinhos dos pequenos brincando de interpretar.


quinta-feira, 25 de outubro de 2012

MORTE AOS GUARANIS

Esta é a notícia que correu as redes nos últimos dias e pegou muita gente de surpresa.
Os Guarani Kaiowá recusam-se a deixar a terra que acreditam ser sua, apesar de terem chegado às margens do rio Hovy há cerca de um ano. Como podem esperar chegar em algum lugar, instalar-se e recorrer aos órgãos maiores para que reconheçam sua soberania às terras já ocupadas com casas, fazendas produtivas e estabelecimentos construídos há muito mais tempo? Que falcatrua é essa?

Pois a enganação não é deles. É nossa.
Nossa medida de tempo e território pertence à nossa cultura. Justifica nossa lógica e limita nossos atos.
Os guarani que chegaram a tão pouco tempo naquelas bandas já tinham uma ligação muito mais antiga com aquela terra. Há ossos de seus ancestrais sob aquele chão. Há gotas de suas lágrimas misturadas com as águas do rio. É preciso entender que eles mantém uma cultura baseada em tradição oral há muitos e muitos anos. Sabem várias coisas, que não sabemos, a partir dos outros. E sabiam um significado que nos escapa. Estão ali por pertencimento, não por posse ou espoliação.

Estão sofrendo todo tipo de represálias dos paus mandados de grandes proprietários e outros mascarados, e sendo observados pelos outros paus mandados do governo. Anunciaram, por carta, sua morte coletiva. É. Isso mesmo. Quem ainda não tomou conhecimento, que tome. Simplesmente desistiram de lutar contra um inimigo que não podem vencer. Hoje há várias leis que os amparam. Pois imagine o desespero de não ter a quem recorrer para fazer cumprir as leis estabelecidas e controladas justamente por quem os quer expulsar.

A morte deles é a nossa também. O suicídio de nosso sistema, de nossa percepção de mundo, a decadência de nossa sociedade e cultura hipócrita. É a morte de uma inocência que já não existe. A esperança é que alguém em algum estúpido cargo importante possa dar uma ordem movida por um bom senso que parece não pertencer à esfera desse magistrado, e salvar o resto de humanidade que existe no resto de nós.